ZznFull-1516.jpg

A venda de um clone e uma sensação de falta de palavras.

  

Vamos vender, a Fazenda São José do Can Can/José Coelho Vítor e as Fazendas do Basa, um clone da Fábrica, a ser produzido. 

Será no dia 19 de agosto, pelo Terraviva, durante a Expogenética, o principal evento técnico do Zebu em todo o mundo. Vamos fazer um leilão com o compromisso de honrar o título: O Gado de Leite. 

Até agora não conseguimos produzir um material de divulgação à altura da oferta que fazemos. Que mais podemos falar da Fábrica? Nenhum criador e sua assessoria profissional desconhece essa Matriarca e seus produtos. O que pode significar um clone da Fábrica complementando um plantel Gir Leiteiro? Que argumentos poderia elencar para sensibilizar alguém a comprar esse clone? Todos os argumentos são sobejamente conhecidos pelo Melhoradores. Não consigo fazer mais que um aviso: vamos vender um clone da Fábrica, a ser produzido pela In Vitro, com todas as garantias reprodutivas formalizadas pelos vendedores. 

Esperamos que os apaixonados pelo Gir Leiteiro acompanhem nosso leilão. Estou disponível pelo meu celular (11) 9.9910-9575 para fornecer quaisquer informações adicionais. O GIR LEITEIRO, a Raça essencial para o futuro da genética do Gado Leiteiro nos trópicos, em todo o mundo, passará a ter mais um plantel com uma Fábrica de Doadoras, um fato excepcional que merece sua audiência. 

Obrigado.

 

Com 164 descendentes classificadas como Top 10% para Produção de Leite no Sumário Brasileiro de Fêmeas 2019, Fábrica FIV de Brasília é a maior referência de produtividade do Gir Leiteiro.


São 23 filhas Fêmeas Jovens, 29 filhas Fêmeas Adultas, 108 netas Fêmeas Jovens, 2 netas Fêmeas Adultas e 2 bisnetas Fêmeas Jovens.

Netas da Fábrica sobressaem na 1ª Etapa da Avaliação Genômica 2020

Neste momento, ou seja, até que sejam divulgados os resultados da 2ª etapa da avaliação genômica 2020,  e o Sumário Brasileiro de Fêmeas, Diga FIV do Basa (Honesta FIV do Basa), detentora da GPTA de 864 kg, é destaque absoluto do rebanho das Fazendas do Basa.
Diga é irmã completa da Babaculândia FIV do Basa e da Blogueira FIV do Basa, que ocupam os postos de segunda e quinta melhores fêmeas do Gir Leiteiro no Sumário 2019.
Além de Diga FIV do Basa, outra fêmea jovem  também ultrapassou o patamar de 800 kg na capacidade predita de transmissão genômica para produção de leite: Espinosa FIV do Basa (Nilmara FIV do Basa), com a GPTA de 824 kg.
Diga e Espinosa são netas da Fábrica FIV de Brasília, e representam a quarta geração de fêmeas classificadas como Top 10% para Produção de Leite.
Oficialmente, 3 netas da Fábrica FIV de Brasília são detentoras das maiores GPTAs da raça: Otília FIV do Basa - 815 kg (Insensata FIV do Basa), Babaculândia - 808 kg (Honesta FIV do Basa) e Bagé FIV do Basa - 802 kg (Gregória FIV do Basa).

A avaliação genômica comprova a consistência leiteira e ratifica as excepcionais qualidades da Honesta FIV do Basa

Honesta FIV do Basa (CA Sansão x Fábrica FIV de Brasília, 598 kg de GPTA), é mãe de 19 Fêmeas classificadas como Top 10% para produção de leite, entre elas a 2ª (Babaculândia FIV do Basa, 808 kg de GPTA) e a 5ª (Blogueira FIV do Basa, 751 kg de GPTA) colocadas no ranking das Fêmeas Jovens/2019.


Diga FIV do Basa, bezerra que na 1ª Etapa da Avaliação Genômica 2020 apresentou 864 kg de GPTA, também é filha da Honesta FIV do Basa, que detém 572 kg de GPTA.

“No gado de leite, a seleção se faz através das grandes mães, que geram grandes filhas e são avós de grandes netas, formando família em constante evolução, com o mais novo sempre superando o mais velho.” (Carlos Roberto Caldeira Brant)

 

Fábrica FIV de Brasília, GPTA de 598 kg, é mãe da Insensata FIV do BASA, GPTA de 666 kg, e avó da Otília FIV do BASA, GPTA de 815 kg; a maior do Sumário Brasileiro de Fêmeas 2019.

Marjory FIV do Basa, exemplo de melhoramento genético e de evolução genômica

 

Há pedigrees que justificam – com os nomes que trazem estampados – o grande desempenho produtivo realizado nos currais e o elevado potencial genômico aferido pela ciência. Esse é um dos conceitos de consistência genealógica para produção de leite e uma das formas de explicar a preponderância genética das vacas que criam linhagens e são formadoras de famílias. 

O pedigree, o desempenho produtivo e a avaliação genômica de Marjory FIV do Basa reforçam a afirmação. Ela é Top 10% para Produção de Leite com a GPTA de 504 kg, seguindo a mãe, Jiba FIV de Brasília, detentora da GPTA de 417 kg. A genealogia é notável e demonstra muita força leiteira, já que Marjory é filha de CA Sansão, e neta materna de Jaguar TE do Gavião, os dois touros que dominam o Sumário Brasileiro de Fêmeas.

Um dos lotes do Leilão 'O Gado de Leite na Expogenética', evento que acontecerá no dia 19/8, será composto por uma filha da Marjory.

Fêmeas detentoras de excelência genética são protagonistas do melhoramento do Gir Leiteiro

Top 10% para produção de leite com a GPTA de 367 kg, Tática gerou 8 filhas que também estão relacionadas no Sumário das Fêmeas Top 10%. Entre elas estão Fábrica (598) e Ibiúna (366), as duas por Modelo TE de Brasília.

Ibiúna - seguindo a mãe e a irmã - também produziu filhas Top 10% para Produção de Leite: Minúcia FIV do Basa (375) e Minuta FIV do Basa (365), Fêmeas Adultas, Cafarnaum FIV do Basa (522), Caem FIV do Basa (427), Argirita FIV do Basa (408), Bélgica FIV do Basa (358), Bacutia FIV do Basa (357), Fêmeas Jovens.
O potencial que Ibiúna possui para gerar descendentes que são, ao mesmo tempo, melhorados e melhoradores é realçado por seu filho, Lusitano do Basa (por Supra-sumo de Brasília). Apesar da pouca idade, somente nas Fazendas do Basa, acasalado com 8 vacas diferentes, Lusitano gerou 14 filhas avaliadas como detentoras de GPTAs maiores que 357 kg: Desenhada (707), Debby (606), Dalgisa (603), Donata (584), Desinibida (573), Demarcada (566), Desiane (466), Declinada (439), Dalmata (431), Datilógrafa (406), Diligência (401), Designada (396), Darcimara (387), Dominique (359).

As fêmeas jovens e adultas que detêm GPTAs de 357 kg ocupam as últimas posições nos dois rankings do Sumário Brasileiro de Fêmeas 2019.

Quem tiver interesse em agregar ao seu rebanho a excelência genética transmitida pela Ibiúna terá uma rara oportunidade no próximo dia 19, no Leilão O Gado de Leite na Expogenética,  evento que acontecerá às 20:30 h, com transmissão pelo Canal Terra Viva. Trata-se de Bellanta FIV Agrogir (Tabu Te da Cal x Ibiúna FIV de Brasília), ocupante do vértice da pirâmide das Fêmeas Jovens Top 30% para Produção de Leite, com GPTA de 253 kg. Ela está prenhe de Metano FIV do Basa (CA Sansão x Fábrica FIV de Brasília), com previsão de parto para 6/9/2020.

Debutar na Expogenética é sinal de prestígio e atestado de excelência em melhoramento

 

Enquanto a Expozebu é considerada a ‘Festa’ de Confraternização dos Zebuzeiros e a Megaleite é consagrada como a maior ‘Feira’ das Raças Leiteiras, a Expogenética é reconhecida, fundamentalmente, como a ‘Vitrine’ do Melhoramento do Gado Zebuíno alcançadoatravés da ciência. 

 

São os bons resultados apresentados na Expogenética que estimulam as manifestações faustosas realizadas na Expozebu e impulsionam os grandes negócios concretizados na Megaleite do ano seguinte.  

 

É por isso que debutar na Expogenética é um sinal do prestígio que somente deve ser ostentado por animais pertencentes às dinastias que se consagraram através da supremacia genômica e a permanente evolução produtiva de seus membros.

 

Diligência FIV do Basa reúne todas essas condições e vai debutar na Expogenética! Ela será ofertada no Leilão O Gado de Leite na Expogenética. 

Entre os muitos motivos para exaltar a supremacia genômica de Diligência FIV do Basa (Lusitano do Basa x Myrcia FIV do Basa), podemos ressaltar que: 1) na linha materna ela compõe a quinta geração de fêmeas classificadas como Top 10% para Produção de Leite e sua consistência genealógica para produção de leite remete a Tática TE de Brasília e Modelo TE de Brasília, que são, ao mesmo tempo, bisavós paternos e trisavós maternos; 2) a bisavó materna, Fábrica FIV de Brasília, e  avó paterna, Ibiúna FIV de Brasília, são irmãs completas e destaques absolutos do Sumário de Fêmeas; 3) o pedigree é sustentando por Jaguar TE do Gavião e CA Sansão, touros que são protagonistas do Sumário de Fêmeas, e Supra-Sumo de Brasília, “indutor do refrescamento de sangue”.

Variabilidade genética, com grande consistência genealógica, impulsiona a evolução genômica para produção de leite

 

As Fazendas do Basa, com vista a promover o melhoramento do Gir Leiteiro, fundamentaram seu trabalho na variabilidade e na excelência genética das famílias que se destacaram por apresentar consistência genealógica baseada na grande produção de leite como indutora da evolução do rebanho. Foi a partir daí que as Fazendas do Basa passaram a ser conhecidas como a ‘Casa das Grandes Mães’.

 

O trabalho seletivo, apoiado por parcerias e convênios firmados com renomadas instituições de pesquisa científica, definiu e refinou o perfil genético do rebanho, contribuindo para que as filhas e netas das matriarcas-base também atingissem o status de ‘Grandes’, uma vez que, nas avaliações genômicas e nas aferições das lactações, na maioria das vezes, igualam ou transcendem suas genitoras. 

Os resultados obtidos mostram que as três fêmeas jovens que ocupam os primeiros lugares do ranking das Top 10% para produção de leite alcançaram GPTA superior ao das fêmeas adultas, confirmando que a seleção de fêmeas da raça vem evoluindo e que há segurança para selecionar mães de touros, garantindo o surgimento de reprodutores de

elevado potencial genético. O acasalamento das ‘Grandes Mães’ com garrotes de grande potencial genômico ajudam na redução do intervalo entre gerações, acelerando o progresso do melhoramento do Gir Leiteiro.

Um exemplo perfeito para ratificar o que afirmamos está na construção do pedigree que resultou no surgimento de Dália FIV do Basa, bezerra que será ofertada no Leilão O GADO DE LEITE NA EXPOGENÉTICA, dia 19 de agosto, com transmissão pelo Canal Terra Viva.

Para além de ostentar o prestígio de ser descendente das monumentais FB Nefrita e Tática TE de Brasília Fábrica, Dália FIV do Basa é filha de Lusitano do Basa (Supra-sumo de Bras x Ibiúna FIV de Bras) e de Pedreira TE Kubera (Jaguar TE do Gavião x Filipina TE Kubera), 10.382 kg/leite. Apesar da pouca idade, somente nas Fazendas do Basa, acasalado com 8 vacas diferentes, o jovem Lusitano gerou 14 filhas avaliadas como detentoras de GPTAs maiores que 357 kg. As fêmeas jovens e adultas que detêm GPTAs de 357 kg ocupam as últimas posições nos dois rankings do Sumário Brasileiro de Fêmeas 2019.

Prepotência genética, par do melhoramento produtivo

 

Luzíada de Brasília, uma matriarca suprema, tornou-se um exemplo incontestável do sucesso alcançado por intermédio de acasalamentos que privilegiam a consanguinidade. Além de referenciar a importância que esta consanguinidade exerce na fixação das características desejáveis, Luzíada permanece se consagrando através de suas descendentes como uma das formadoras de famílias que se destacam pela grande produção de leite e continua sendo um dos maiores símbolos da prepotência genética.

Hoje, os descendentes da Luzíada, machos e fêmeas, têm suas capacidades preditas de transmissão das características desejáveis avaliadas através do Teste de Progênie, para touros, e da genômica, para fêmeas. Como exemplos, podemos citar um filho – Diamante TE de Brasília, 4º colocado no Sumário de touros com a PTA de 783 kg – e uma bisneta, Nalba FIV do Basa (Jaguar TE do Gavião x História de Brasília), rês de grande produtividade, 9.532 kg/leite, seguindo a trajetória da mãe, História (por Modelo), 9.046 kg/leite), da avó, Deusa (por Everest), 7.005 kg/leite.

 

Nalba FIV do Basa, gestando embrião fruto do acasalamento de Jaguar TE do Gavião com Anabela FIV do Basa (Sansão x Fábrica), será ofertada no Leilão O GADO DE LEITE NA EXPOGENÉTICA.

CORONEL GARANTE A SEGURANÇA DESEJADA PELOS PRODUTORES DE LEITE

As pesquisas cientificas contribuem para aumentar a eficiência da seleção, e criam boas expectativas acerca do potencial produtivo das filhas de touros jovens 

 

Coronel FIV do Basa (Jaguar TE do Gavião x Honesta FIV do Basa), lote 32 do Leilão O GADO DE LEITE NA EXPOGENÉTICA, é filho, neto, bisneto e irmão de fêmeas que sobressaem como componentes da melhor família Top 10% para Produção de Leite.

Existem vários motivos para exaltarmos a supremacia genealógica de Coronel FIV do Basa, entre eles podemos ressaltar:


1) Coronel é irmão completo da Diga FIV do Basa, bezerra que na 1ª Etapa da Avaliação Genômica 2020 apresentou 864 kg de GPTA;
2) Coronel é irmão completo da Babaculândia FIV do Basa, detentora da 2ª maior GPTA da raça, 802 kg; e da Blogueira FIV do Basa a 5ª colocada no ranking das Fêmeas Jovens-2019;

3) Coronel é filho da Honesta FIV do Basa; é neto da Fábrica FIV de Brasília; é bisneto da Tática TE de Brasília; destaques absolutos do Sumário de Fêmeas Embrapa/ABCGIL;
4) Coronel é irmão completo de 18 Fêmeas Jovens Top 10% para Produção de Leite relacionadas no ranking 2019, e de Bilac FIV do Basa, touro contratado pela ABS.

O constante progresso do desempenho produtivo é questão essencial para diminuir os custos do processo operacional da pecuária leiteira, por isso o resultado da avaliação genômica de animais com a genealogia igual à do Coronel alimentam a esperança de que suas filhas sigam a mesma trajetória das outras fêmeas da família e façam grande produção de leite.

TER E NÃO TER, EIS A QUESTÃO!

Doutorada FIV do Basa (Fabuloso do Basa x Rafia FIV de Brasília, GPTA 273 kg) tem a GPTA de 343 kg, o que faz a diferença, pois a coloca na cabeceira da lista que relaciona as fêmeas de elite classificadas como Top 20% para Produção de Leite.

Porém, devemos observar que Doutorada FIV do Basa não tem os nomes de Jaguar TE do Gavião, CA Sansão ou Fábrica FIV de Brasília estampados no seu pedigree. Isso também faz a diferença, uma vez que vem realçar e valorizar a importância da variabilidade genética na formação do grupo de fêmeas detentoras do status de escol da raça.

Ter e não ter, eis a questão!

Doutorada FIV do Basa compõe o lote 24 do Leilão O GADO DE LEITE NA EXPOGENÉTICA.

Fêmea Top 20% fomenta o melhoramento do Gir Leiteiro

 

Após a divulgação da avaliação genômica, as fêmeas Gir Leiteiro do rebanho nacional passaram a ser estratificadas a partir de suas capacidades preditas de transmissão genômica, GPTA. No topo da pirâmide, que é formada por 10 camadas superpostas, estão relacionadas as fêmeas de maior GPTA. Elas representam 10% do total de fêmeas avaliadas, e são, por isso, classificadas como Top 10% para Produção de Leite. Com status de ‘Supremas’, as Top 10% têm GPTA acima de 356 kg de leite. 

 

O segundo estrato é composto pelas fêmeas detentoras de GPTA máximo de 356 kg e mínimo de 268 kg. Elas são classificadas como Top 20% para Produção de Leite e representam a grande reserva de excelência genética da raça, pois apresentam qualidades semelhantes às das fêmeas que estão no topo, e normalmente possuem excelente potencial de produção. 

 

Isso, sem contar que algumas componentes do segundo estrato são irmãs completas de fêmeas que são destaque do Sumário. Fafá FIV de Brasília, Top 20% com a GPTA de 305 kg, é mãe de Justa FIV do Basa, GPTA de 604 kg, e avó da Doroty FIV do Basa, GPTA de 858 kg. Fafá também é mãe de Fabuloso do Basa (por Teatro da Silvania), touro que está conquistando notoriedade por gerar filhas com GPTA acima de 600 kg. Fabuloso sobressai porque suas filhas, habitualmente, apresentam GPTA maior que o

mãe. Como exemplo podemos citar Davena FIV do Basa, GPTA 796 kg (Fabuloso do Basa x Ordenha II de Brasília, GPTA 572 kg).

 

Assim sendo, fica a dica: quem se interessa por melhoramento genético deve prestar atenção no lote 23 do LEILÃO O GADO DE LEITE NA EXPOGENÉTICA. Francine Basa Pantanal, GPTA de 343 kg, é uma Top 20% para Produção de Leite diferenciada. Com status de Família Luziada, Francine é neta da Juliana Cal, e o seu pedigree é estruturado por Radar dos Poções, Meteoro de Brasília e CA Sansão.

@ 2020