(32) 3441-6001
 

e

A segunda edição do Leilão SOB A LUZ DA GENÔMICA vai acontecer dentro da nossa filosofia de estimular a multiplicação do Gir Leiteiro muito superior. O Brasil precisa aumentar a população de Gir Leiteiro do topo da pirâmide para termos doadoras super qualificadas para o Gir Leiteiro PO e para o Girolando Meio-Sangue PLUS. A crise vai passar e as respostas para recuperação do Brasil, a nosso ver, exigem desde já atitudes que valorizem qualidade, para mantermos e ampliarmos o protagonismo brasileiro no melhoramento da pecuária leiteira rústica para o mundo tropical, onde o Gir Leiteiro se destaca.
Achamos que vale a pena pensar grande, o Brasil merece!" (Evandro Guimarães, Fazendas do Basa)

O Leilão acontecerá no dia 17 de junho próximo, a partir das 20:30 h, com transmissão pelo Canal Terra Viva.

Top 10% para Produção de Leite, com GPTA de 598 kg, lactação de 8.074 kg de leite em 305 dias, Fábrica FIV de Brasília é hoje a maior referência da raça quando o assunto é conceber filhas producentes e descendentes Top 10% para Produção de Leite.

As matriarcas com prepotência genética transmitem suas características com maior intensidade. Fábrica FIV de Brasília é a expressão máxima das matriarcas com prepotência genética, conforme comprovam suas filhas, netas e bisnetas classificadas como Top 10% para Produção de Leite.

 

Descendentes da Fábrica acasaladas com touros, aprovados pelo Teste de Progênie, que não fazem parte da relação dos genitores empregados com maior frequência, normalmente geram fêmeas que se tornam moeda corrente entre os selecionadores. Dalila FIV do Basa, com a GPTA de 530 kg, é um desses produtos.

 

Na composição do DNA de Dalila FIV do Basa (Fardo FIV F Mutum - PTA 263 kg x Ananda FIV do Basa - GPTA 428 kg), estão presentes os genes transmissores do temperamento linfático de Radar dos Poções; da consistência leiteira da Fábrica FIV de Brasília e do CA Sansão; considerados de grande importância para a fixação de atributos desejáveis, já que são unidades fundamentais da hereditariedade.

Fardo FIV F Mutum, o pai da Dalila FIV do Basa, é sinônimo de Leite com muita qualidade, pois está classificado como Top 10% para produção de gordura, de protéina, e de sólidos totais. Entre os 491 touros avaliados pelo Teste de Progênie, Fardo ocupa a 17ª posição no ranking do IPGL - Índice de produção do Gir Leiteiro, que combina as características de produção de Leite (25%), idade ao primeiro parto (25%), produção de gordura (20%) e produção de proteína (30%). 

 

Para finalizar, o pai de Dalila FIV do Basa é portador dos genes beta-caseina A2A2 (leite associado à redução nos processos de alergia a proteínas do leite e à maior facilidade de digestão) e de beta-lactoglobulina BB (mais indicado para a produção de derivados lácteos, como o queijo, por exemplo).

Desenvoltura contribui para que a evolução do Gir Leiteiro seja permanente 

 

Detentora da GPTA de 556 kg, Desenvoltura FIV do Basa, além de ser neta da monumental Fábrica FIV de Brasília, é fruto de acasalamento que seguiu o ordenamento ideal: Jaguar TE do Gavião com Ariela FIV do Basa (filha de CA Sansão), GPTA de 641 kg, a líder das Fêmeas Jovens Top 10% para Produção de Leite no 1º Sumário de Fêmeas.

Como seletor biotecnológico, a genômica mostrou que é a ferramenta de trabalho ideal para fazer a aceleração do melhoramento crescer. Após a implantação da genômica no processo de seleção do Gir Leiteiro, em 2018, as estimativas de valores genéticos passaram a ser mais acuradas, especialmente para os animais jovens, e está contribuindo para que o intervalo de gerações seja diminuído, acelerando-se assim o progresso genético da raça.

Prova disso é o Leilão Sob a Luz da Genômica, que ofertará somente fêmeas classificadas como Top 10% para Produção de Leite. Uma dessas fêmeas é Desenvoltura FIV do Basa.

Sob a Luz da Genômica, a adição de variabilidade genética à consistência genealógica das famílias de grande produção leiteira ganhou ainda mais importância

 

Dolar FIV do Basa, filha de Bonita FIV da F.E., doadora que fez lactação de 11.886 kg de leite, é neta de uma matriarca que se notabilizou por gerar descendentes de grande produtividade: Luzíada de Brasília.

 

Luzíada de Brasília, uma matriarca suprema, tornou-se um exemplo incontestável do sucesso alcançado por intermédio de acasalamentos que privilegiam a consanguinidade. Além de referenciar a importância que esta consanguinidade exerce na fixação das características desejáveis, Luzíada permanece se consagrando através de suas descendentes como uma das formadoras de famílias que se destacam pela grande produção de leite e continua sendo um dos maiores símbolos da prepotência genética.

Hoje, os descendentes da Luzíada, machos e fêmeas, têm suas capacidades preditas de transmissão das características desejáveis avaliadas através do Teste de Progênie, para touros, e da genômica, para fêmeas. Como exemplos, podemos citar dois filhos – Diamante TE de Brasília (Meteoro de Brasíla), PTA 783 kg, e Platino de Brasília (Embaixador de Brasília) PTA 338 kg – e, a neta, Dolar FIV GPTA 356 kg, rês Top 10% para Produção de Leite que será ofertada no Leilão Sob a Luz da Genômica.

 

Em termos de complementaridade de valorização, a genealogia de Dolar FIV do Basa é revestida de um detalhe que faz diferença essencial: ela é filha de Jaguar TE do Gavião e neta de C.A. Sansão, touros que sobressaem como pai e avô da maioria das fêmeas do Sumário, as Top10% para Produção de Leite.

Balística FIV do Basa, além de possuir a GPTA de 510 kg e estar classificada como Top 10%, possui o diferencial de ser filha da Hedna do Basa

 

As pesquisas científicas apontam que a Fábrica, independente dos acasalamentos, produziu touros e vacas com potencial genético para gerar descendentes de excelência na produção de leite e com o dom de transmitir suas qualidades às gerações futuras. Para além de fazerem grandes lactações, as filhas da Fábrica, junto com as netas e bisnetas, sobressaem por serem detentoras de elevadas capacidades previstas de transmissão genômica (GPTA) para produção de leite, formando a maior família das Top 10%. 

Hedna do Basa é uma das filhas da Fábrica que sempre está em evidência. No entanto, não é porque fez lactação de 11.955 kg em 365 dias, nem pelos 422 kg de GPTA, e muito menos porque possui o potencial genético para gerar filhas mais evoluídas que ela, como - por exemplo - Balística FIV do Basa, avaliada como portadora da GPTA de 510 Kg, que os

holofotes são focados na Hedna do Basa. Ela desperta interesse dos selecionadores porque é filha do FB Radiano, touro que possui a PTA de 94 kg e 2,1% de índice de Parentesco Médio. 

Hedna do Basa é doadora de grande importância nas Fazendas do Basa, porquanto, junto com Pedreira FIV Kubera, neta da FB Nefrita,  é uma das doadoras que compõem o seleto grupo de matriarcas descendentes do criatório do pioneiro Francisco Figueiredo Barretto, 'FB', e contribui para sustentar a multiplicidade de genes do rebanho Basa. Este fato oferece grandes perspectivas para o Gir Leiteiro, que tem a sua evolução alicerçada em diversidade genética e animais de famílias de alta lactação.

 

Para finalizar, a árvore genealógica da Top 10% Balística do Basa ganha mais relevância quando constatamos que ela está aberta para acasalamentos com os principais padreadores que ocupam as primeiras posições do Sumário Brasileiro de Touros (ABCGIL/Embrapa Gado de Leite), excetuando CA Sansão e seus filhos.

Donabela FIV do Basa, quarta geração de Fêmeas Top 10% para produção de Leite

 

Talvez, fazendo uso de superlativos para intensificar a grandiosidade, consigamos dimensionar a progressão do melhoramento genético imposto ao Gir Leiteiro e a importância de ofertar ao mercado fêmeas classificadas com Top 10% para Produção de Leite.

 

 

Desta forma, partindo das ‘super’, categoria na qual serão enquadradas as vacas que foram disseminadoras dos supergenes que provocam a alta produtividade leiteira, passando pelas ‘híper’, categoria na qual podemos enquadrar a Fábrica, e pelas ‘mega’, categoria que enquadra a Julianne FIV do Basa, atingiremos as ‘máxi’, categoria máxima, panteão destinado às netas da Fábrica. Esse novo conceito de comentário me permite proclamar que Donabela FIV do Basa é uma ‘máxi’.  

Como a GPTA de 568 kg, Donabela FIV do BASA (Jaguar TE do Gavião x Julianne FIV do Basa, GPTA 519 kg, 12.798 kg de leite), uma das estrelas do Leilão Sob a Luz da Genômica, faz jus ao status de 'maxi', uma vez que é neta da Fábrica, detentora da GPTA de 598 kg, e bisneta da Tática TE de Brasília, que detém a GPTA de 457 kg e do prestígio de 'super'.

Dálmata FIV do Basa, GPTA 431 kg, uma Top 10% com a magnifica genética do Lusitano do Basa

 

Complementaridade produtiva. Duas palavras mágicas quando o objetivo do criador é buscar uma fêmea Gir Leiteiro que seja semelhante, ou que exceda, as suas ancestrais na produção de leite.

 

Cientes disso, as Fazendas do Basa sempre fundamentaram a produção das Gir Leiteiro em acasalamentos que valorizam a consistência genética das famílias que se sobressaem pelo grande desempenho produtivo. E fazem isso com a base sólida das provas científicas que indicam quais são as fêmeas com maior capacidade predita de transmissão genômica (GPTA) para produção de leite.

 

O resultado desse aprimoramento contínuo por intermédio do pedigree se concretiza através de um excepcional exemplar da raça que formará um dos lotes do Leilão Sob a Luz da Genômica. 

Trata-se de Dálmata FIV do Basa, rês cuja genealogia dá conteúdo ao conceito ‘Melhoramento’.

 

Na linha materna, além dos três touros melhoradores – CA Sansão, Bem Feitor Raposo, Radar dos Poções – que foram usados na ordem de alternância correta para potencializar o desempenho da geração seguinte, Dálmata FIV do Basa descende de matriarcas de expressivas lactações: a mãe, Florinda FIV Cal, GPTA 308 kg, A2A2, 12.186 kg de leite; a avó, Sinta BF TE da Cal, 10.062 kg de leite; a bisavó, Prateada TE Cal, 10.080 kg de leite; e Hidrólise Dalton Cal, 10.484 kg de leite.

 

Já o pai da Dálmata FIV do Basa é nada menos que Lusitano do Basa, touro jovem, em Teste de Progênie, que conquistou prestígio por ter produzido filhas avaliadas como cabeceiras entre as Top 10% para Produção de Leite. Desenhadada FIV do Basa, com a GPTA de 707 kg é uma delas. 

 

Ademais da elevada capacidade prevista de transmissão genômica (GPTA) para produção de leite e de evidenciar o tipo leiteiro, a progênie do Lusitano destaca-se pelo biotipo leiteiro e pela estrutura das pernas.

 

Em conjunto com Gim FIV do Basa (Vaidoso da Silvânia x Fábrica FIV de Brasília), 5º colocado no Sumário de Touros com a PTA de 765 kg, e Fabuloso do Basa (Teatro da Silvania x Fafá FIV de Brasília), 11º colocado no Sumário de Touros com a PTA de 708 kg; Lusitano do Basa (Supra-Sumo de Brasília x Ibiuna FIV de Brasília) compõe o triunvirato de reprodutores que reforça a notabilidade de Modelo TE de Brasília e Tática TE de Brasília - avós maternos do trio - pois se igualam às fêmeas descendentes do casal na capacidade de produzir animais Top 10% para produção de leite.

Dubai FIV Basa, detentora da GPTA de 420 kg, destaca pela consistência genealógica para produção de leite.

 
Existem vários motivos, todos grandiosos, para exaltarmos a supremacia genômica de Dubai FIV do Basa (Jaguar TE do Gavião x Honesta FIV do Basa), entre eles podemos ressaltar:


1) Ela é irmã completa da Diga FIV do Basa, bezerra que na 1ª Etapa da Avaliação Genômica 2020 apresentou 864 kg de GPTA;  

2) ela é irmã completa da Babaculândia FIV do Basa, detentora da 2ª maior GPTA da raça, em 2019, 802 kg; 

3) é filha da Honesta FIV do Basa; é neta da Fábrica FIV de Brasília; é bisneta da Tática TE de Brasília; 

4) é irmã completa de 18 fêmeas Top 10% para produção de leite, dentre elas Blogueira FIV do Basa a 5ª colocada, em 2019, no ranking das Fêmeas Jovens.

 

Dubai FIV do Basa FIV do Basa, além de ser filha de Jaguar TE do Gavião, é neta de CA Sansão e bisneta de Modelo TE de Brasília.

Caravelas FIV do Basa - filha da Gina FIV do Basa, neta da Fábrica e bisneta da Tática - representa o novo patamar de melhoramento do Gir Leiteiro.

 

Top 10% para Produção de Leite, com GPTA de 598 kg, lactação de 8.074 kg de leite em 305 dias, Fábrica FIV de Brasília é hoje a maior referência da raça quando o assunto é conceber filhas producentes e descendentes Top 10% para Produção de Leite.

Entre as filhas da Fábrica que destacam no Sumário Brasileiro de Fêmeas - 2019, está Gina FIV do Basa, com GPTA de 497 kg. Gina FIV do Basa fez lactação de 10.430 kg de leite em 365 dias, e produziu 7 filhas ranqueadas como Top 10% para Produção de Leite. 

 

  • Barca FIV do Basa, GPTA de 621 kg

  • Caravelas FIV do Basa, GPTA de 558 kg

  • Chilena FIV do Basa, GPTA de 508 kg

  • Congonhas FIV do Basa, GPTA de 437 kg

  • Alana FIV do Basa, GPTA de 391 kg

  • Chuvisca FIV do Basa, GPTA de 363 kg

  • Damiana FIV do Basa, GPTA de 358 kg

Caravelas FIV do Basa é filha do Jaguar TE do Gavião, e na linha materna é neta do C.A. Sansão e bisneta do Modelo TE de Brasília.

A prenhez da Caravela FIV do Basa é por Koringa FIV TOL, touro em teste de progênie, filho de C.A. Sansão e Bandeira, GPTA 428 kg (Jaguar TE do Gavião x Azaleia).

Durvalina FIV do Basa, GPTA de 621 kg, é Top 10% para Produção de Leite e descende do que há de melhor no Gir Leiteiro. 

Com GPTA superior ao da mãe – 621, frente a 572 –  o que evidencia sua evolução genômica, Durvalina FIV do Basa expressa a lapidação do fenótipo em sua angulosidade, o que valoriza o tipo leiteiro. A promessa de elevação do desempenho produtivo – com úbere moderno e funcional – é creditada à seus bisavós, Tática TE de Brasília, CA Sansão, Jaguar TE do Gavião, Ordenha TE de Brasília; enquanto a expectativa de excelência do sistema mamário é atribuída à consanguinidade de Modelo TE de Brasília.

O seu pai, Fabuloso do Basa, PTA de 708 kg, está classificado como Top 10% para produção de leite e para produção de sólidos totais. Além disso, ele é portador dos genes da beta-caseína (B-CN) A2A2 - genótipo associado à redução nos processos de alergia a proteínas do leite e à maior facilidade de digestão; e da beta-lactoglobulina (B-LGB) BB, leite mais indicado para produção de derivados lácteos, como queijo.

Poder contar com a confiabilidade da avaliação genômica de animais jovens aumenta a segurança na capacidade de projetar os melhores acasalamentos, atitude que é estratégica para o melhoramento genético, e que, por consequência, resulta no maior desempenho produtivo dos descendentes. Isso é Fabuloso!

Data histórica e comemoração à altura

 

É provável que os envolvidos no Programa Nacional de Melhoramento do Gir Leiteiro (PNMGL) não se lembrem da data, mas uma das reuniões que contribuíram para a concepção da Avaliação Genômica de Fêmeas Jovens e Adultas aconteceu no dia 22 de maio de 2017, em Leopoldina (MG).

 

O feito foi registrado pelo Dr. Paulo Do Carmo Martins em seu perfil no Facebook, e a postagem tornou-se documento de grande importância histórica, pois a iniciativa revolucionou o cenário da pecuária leiteira no mundo tropical.

 

Hoje, exatamente três anos depois, já temos mais de 20 mil animais genotipados pelo Programa ABCGIL/Embrapa, e, no próximo mês de agosto, será divulgado o 3°Sumário (2020) com a listagem das fêmeas jovens e adultas classificadas como Top 10% para Produção de Leite.

 

Para comemorar a data, as Fazendas do Basa vão realizar a segunda edição do Leilão Sob a Luz da Genômica. De forma inédita, os lotes serão compostos somente por fêmeas classificadas como Top 10%, detentoras de grande capacidade prevista de transmissão genômica (GPTA) para produção de leite.

 

O Leilão acontecerá no dia 17 de junho próximo, a partir das 20:30 h, com transmissão pelo Canal Terra Viva.

Sob a Luz da Genômica

A avaliação genômica é capaz de apontar touros e vacas que têm potencial para gerar descendentes de excelência na produção de leite e com o dom de transmitir suas qualidades às gerações futuras. Por consequência, além de ajudar a diversificar a composição genética do rebanho e na diminuição do intervalo entre gerações, o trabalho científico também revela quais são os animais inferiores do plantel, o que contribui para evitar os custos desnecessários com a criação de bezerras que não sejam portadoras das qualidades desejadas.

Outro benefício que as avaliações genômicas trouxeram para a tomada de decisões no que se refere ao melhoramento produtivo e reprodutivo do rebanho, é a confiança nas decisões de acasalamento. Com os resultados confiáveis e a acurácia que os testes de genômica fornecem, é possível identificar e gerenciar com maior  segurança o acasalamento dos touros e  fêmeas de alto potencial genético. Isso permite idealizar e executar acasalamentos complementares e/ou corretivos para que resultados satisfatórios sejam obtidos na proporção esperada .

Via de mão dupla, da mesma forma que a avaliação genômica serve para indicar os animais inferiores que devem ser descartados, também serve para revelar oportunidades ímpares de adquirir animais de elevado potencial genômico, que ajudam a antecipar etapas da seleção.
O Leilão Sob a Luz da Genômica, é uma dessas oportunidades, pois, de forma inédita, irá ofertar somente produtos classificados como Top 10% para Produção de Leite. Fêmeas que são detentoras de grande capacidade prevista de transmissão genômica (GPTAs) para produção de leite.

 

O Leilão acontecerá no dia 17 de junho próximo, a partir das 20:30 h, com transmissão pelo Canal Terra Viva.

Sob a Luz da Genômica

Queremos dividir com os amigos selecionadores de Gir Leiteiro e com os criadores de Girolando a nossa grande satisfação com os resultados obtidos na 1ª Etapa de Avaliação Genômica 2020. Divulgados no dia 24 de abril, os números mostraram que houve substancial crescimento da capacidade predita de transmissão genômica (GPTA) para produção de leite no rebanho das Fazendas do Basa.

Dos 281 animais submetidos a avaliação genômica na 1ª Etapa, entre eles os da parceria Basa-Via Láctea, a apuração mostrou que:

- 179 apresentaram GPTA entre 357 e 864

- 63 apresentaram GPTA entre 257 e 356

- 23 apresentaram GPTA entre 156 e 256

- 14 apresentaram GPTA entre 57 e 155

- 2 apresentaram GPTA entre 0 e 56

Neste momento, ou seja, até que sejam divulgados os resultados da 2ª etapa da avaliação genômica 2020 e o Sumário, Diga FIV do Basa (Honesta FIV do Basa), detentora da GPTA de 864 kg, é destaque absoluto do nosso rebanho. Diga é irmã completa da Babaculândia FIV do Basa, que ocupa o posto de segunda melhor fêmea do Gir Leiteiro no Sumário 2019.

Além de Diga FIV do Basa, outras duas fêmeas jovens também ultrapassaram o patamar de 800 kg na capacidade predita de transmissão genômica para produção de leite: Dorothy FIV do Basa (Justa FIV do Basa), com a GPTA de 856 kg, e Espinosa FIV do Basa (Nilmara FIV do Basa), com a GPTA de 824 kg.

Em termos de GPTA, com esses resultados, as três bezerras (Diga, Dorothy e Espinosa) ultrapassaram suas irmãs paternas, que são, oficialmente, detentoras das três maiores GPTAs da raça: Otília FIV do Basa - 815 kg (Insensata FIV do Basa), Babaculândia - 808 kg (Honesta FIV do Basa) e Bagé FIV do Basa - 802 kg (Gregória FIV do Basa).

No ano passado, apesar dos 56 animais do nosso rebanho estarem relacionados entre as 523 Fêmeas Adultas, o nosso contentamento foi motivado pelos 209 animais com a griffe Basa relacionados entre as 662 Fêmeas Jovens ranqueadas como Top 10% para Produção de Leite, uma vez que o melhoramento se manifesta quando a geração mais nova supera a mais velha nas avaliações.

Em 2019, a evolução do plantel nacional foi ressaltada pela relação das Fêmeas Jovens. Primeiro, porque a quantidade de animais - 662, frente a 523 - é maior; depois, e principalmente, porque - Otília FIV do Basa, Babaculândia FIV do Basa, Bagé FIV do Basa - o trio que, ainda, lidera o ranking oficial apresenta as maiores GPTAs da raça. As Fazendas do Basa se orgulham de compor o grupo de selecionadores que contribuem para o permanente melhoramento do Gir Leiteiro.

O Gir Leiteiro é o redentor da pecuária leiteira tropical e a avaliação genômica é uma ferramenta fundamental para a evolução do desempenho produtivo dos rebanhos. Por isso, é importante lembrar a todos os selecionadores que o prazo de entrega do material genético para a 2ª Etpa da Avaliação Genômica 2020 encerra-se no dia 10 de junho de 2020, e a oportunidade não pode ser perdida.

Sob a Luz da Genômica, o Gir Leiteiro vai mostrar o seu esplendor para o mundo do leite.

@ 2020